Sabiá-laranjeira e a cidade

Restando pouco menos de um mês para o inverno acabar, já é possível escutar a cantoria dos sabiás-laranjeiras pela cidade. É nessa época do ano que se intensificam os cantos para demarcação de território e cortejo das fêmeas, principalmente no amanhecer e entardecer. No entanto, quem acorda de madrugada já consegue escutar alguns sabiás cantando bem alto.

Muitos não sabem, mas o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris) é a ave-símbolo do estado de  São Paulo desde 1966, e a ave-símbolo do Brasil desde 2002. Em 2010, a Prefeitura do Município de São Paulo realizou concurso para eleger o animal símbolo da cidade, e o nosso sabiá ficou em terceiro lugar, perdendo para a suçuarana, ou onça-parda, felino avistado raríssimas vezes no sul da cidade, na APA Capivari-Monos.

O sabiá-laranjeira possui cerca de 25 cm e coloração parda com ventre ferrugíneo alaranjado, podendo viver até 30 anos. É uma ave muito comum por quase todo o Brasil, a exceção da Floresta Amazônica, e sua popularidade pode ser comprovada em diversas citações em canções e poemas que fazem alusão ao seu belo canto.

Para ouvir o canto do sabiá-laranjeira, clique http://www.youtube.com/watch?v=_vRGbRxVK50

A espécie possui uma dieta generalista, mais voltada ao consumo de frutos, minhocas e artrópodes, o que o torna mais apto a viver em ambientes urbanos. Embora tenha ocorrência natural em matas ciliares, cerrados e capoeiras, é bastante frequente em pomares, quintais, parques e praças das zonas rural e urbana. Na cidade de São Paulo é muito abundante, principalmente em bairros mais arborizados como Butantã, Alto de Pinheiros e Morumbi, ocorrendo também em bairros mais densamente ocupados, desde que com áreas verdes para oferecer-lhes abrigo e alimento. Por isso, acredito que seja possível usarmos o sabiá-laranjeira como um bioindicador quali e quantitativo da arborização urbana em São Paulo e em outras capitais, como Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte. Teríamos assim um gradiente da abundância de sabiás-laranjeiras proporcional à quantidade de áreas verdes nos diversos bairros da cidade. Assim, se você mora aqui na capital e não tem escutado e avistado sabiás, podemos chegar a triste conclusão que o seu bairro apresenta um déficit enorme de áreas verdes, provavelmente com poucas árvores exóticas que não alimentam a fauna. Por outro lado, quanto mais sabiás encontrar no seu bairro, poderemos concluir que mais e melhor arborizado deva estar o local.

Em um futuro próximo, espero, depois que tivermos sabiás em cada esquina da cidade, aí poderemos usar espécies mais exigentes como indicadores de um ambiente urbano mais verde, como a alma-de-gato (Piaya cayana), quem sabe, ou outra qualquer que seja apropriada para esse fim.

Sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris), ave-símbolo do Brasil e do Estado de São Paulo, bastante comum nos bairros mais arborizados da capital paulista. (Foto: Dario Sanchez)

Alma-de-gato (Piaya cayana), ave cuculiforme de ampla distribuição, ocorrendo também em áreas verde e bairros mais arborizados de São Paulo. (Foto: Célia Barcellos)

Anúncios
Esse post foi publicado em Arborização urbana, Aves de São Paulo, Árvores, árvores de são paulo, fauna sinantrópica, fauna urbana, Parque do Carmo, Sabiá-laranjeira, São Paulo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Sabiá-laranjeira e a cidade

  1. só uma pequena pergunta ,o Sabiá-laranjeira é natural de que bioma brasileiro? desde já agradeço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s